“Inferno”: público do Astroworld Festival lamenta tragédia e processa Travis Scott

"Foi um inferno lá dentro [...] Não sabíamos que seria uma tragédia em massa", declara um estudante que estava no festival que resultou na morte de oito pessoas

Travis Scott em show na Espanha, 2018
Foto de Travis Scott via Shutterstock
 

A tragédia ocorrida no festival Astroworld, organizado por Travis Scott, que resultou na morte de oito pessoas e em diversas pessoas feridas, vem ganhando novos rumos ao longo dos últimos dias.

Duros relatos sobre a noite de abertura do evento sediado em Houston, Texas, que aconteceu na última sexta-feira (5), foram compartilhados e até processos envolvendo o rapper e as empresas ligadas ao festival já estão surgindo.

De acordo com a Billboard, um estudante de 18 anos de idade chamado Angel Rodriguez estava no meio da multidão com seus amigos quando outros fãs invadiram o espaço para se aproximar do palco.

Ele relatou:

Não foi realmente um show. Foi um inferno lá dentro. Estávamos lá apenas para nos divertir. Não sabíamos que seria uma tragédia em massa.

Uma amiga de Rodriguez, Natalia Tavera, de 16 anos de idade, contou que sofreu dois desmaios e acabou deitada em uma massa de corpos, ela disse:

Eu estava gritando por ajuda e ninguém ajudou. Estava muito apertado. Lá embaixo dava para ver gente morta.

Tive que puxar as pernas das pessoas para sair.

Os jovens, que estavam reunidos na tarde do último domingo (7) em frente a um santuário improvisado fora do local do festival, criticaram a equipe de segurança do evento e o próprio Travis Scott por não reconhecerem os sinais de perigo e permitir que o show continuasse.

Enquanto Rodrigues disse que “era como se eles não se importassem”, um amigo acrescentou que “não havia pessoas suficientes lá” para ajudar o público.

Ainda segundo o portal, as oito pessoas que morreram na confusão tinham idades entre 14 e 27 anos. As autoridades de Houston não divulgaram seus nomes, mas amigos e familiares prestaram homenagens nas redes sociais e começaram a realizar memoriais na tarde deste domingo.

Anteriormente, comentamos que vídeos que circulam na Internet mostram que o show de  Scott continuou mesmo após toda confusão.

Isso foi reafirmado por vítimas da confusão que, inclusive, dizem que o comportamento enérgico de Travis Scott no palco contribuiu para que a tragédia fosse ainda maior, já que as pessoas estavam seguindo suas rimas, gritos e movimentos.

Processos contra Travis Scott

Apesar do rapper ter se pronunciado sobre o caso e ter dito que estava “absolutamente devastado” com os acontecimentos, algumas pessoas decidiram processar o músico pelo ocorrido.

Um dos fãs presentes no evento, Manuel Souza, moveu uma ação contra Scott e também contra a empresa organizadora ScoreMore e a gigante dos shows Live Nation, alegando que o desastre era “previsível e evitável” e que ele foi resultado de “uma motivação para o lucro às custas da saúde e segurança dos espectadores” e também do “incentivo à violência”.

O advogado de Souza, Steve Kherher disse (via Spin):

Os réus falaram em planejar e conduzir o show de maneira segura. Em vez disso, eles conscientemente ignoraram os riscos extremos de danos aos frequentadores dos concertos e, em alguns casos, encorajaram e fomentaram ativamente comportamentos perigosos.

Segundo a Billboard, eles estão pedindo 1 milhão de dólares no processo judicial.

Uma segunda ação foi movida por Kristian Paredes, de 23 anos de idade. O documento obtido pelo Daily Mail nomeia Travis Scott e Drake como réus além de acusá-los de negligência.

O processo alega que Drake “subiu ao palco ao lado de Travis Scott e ajudou a incitar a multidão” e “a multidão tornou-se caótica e uma debandada começou a deixar oito mortos e dezenas, incluindo Kristian Paredes gravemente ferido”.

A ação ainda aponta a Live Nation e Harris County Sports and Convention Corporation como réus. O advogado de Paredes, Thomas J. Henry, declarou:

Não há desculpa para os acontecimentos que se desenrolaram no estádio NRG na sexta-feira à noite.

Representantes de Scott, ScoreMore e Live Nation ainda não comentaram sobre os processos que possivelmente são os primeiros de outros que ainda vão surgir.

Vítimas da tragédia no Astroworld

Além de Travis Scott que afirmou que está “comprometido a trabalhar em conjunto com a comunidade de Houston para curar e dar apoio às famílias que necessitam”, outro músico que participou de seu festival também ofereceu ajuda para as famílias das vítimas.

Roddy Ricch, que se apresentou pouco antes do show de Scott causar a confusão no evento, anunciou que irá doar seu cachê do show para os familiares das pessoas que faleceram durante o Astroworld.

Através de um story em sua conta do Instagram o músico escreveu neste domingo (7):

Por favor, façam com que as famílias daqueles que perdemos ontem entrem em contato. Estarei doando minha compensação líquida para as famílias deste incidente. Rezem por Houston.

O rapper orientou que os fãs entrassem em contato com Shawn Holiday, que faz parte de sua equipe, caso tivessem alguma informação sobre as famílias das vítimas.

Segundo a NME, Kanye West prestou uma homenagem às pessoas que faleceram no desastre dedicando sua edição mais recente do Sunday Service para aqueles que infelizmente nos deixaram.

Além dos relatos compartilhados pelos apreciadores de música que estavam no evento, especialistas também avaliaram a tragédia. Alguns argumentaram que os organizadores do festival “não estavam preparados para a multidão que iriam receber”.

Um dos profissionais disse à Rolling Stone que “não quer nem especular como será difícil” para outros festivais de Rap conseguirem obter segurança em eventos futuros.

 
Nosso site utiliza de cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Consulte nossa Política.